Blog

Mais lucro? O caminho para redução de custos para os convertedores de embalagens

De acordo com recentes pesquisas realizada por consultores financeiros da PriceWaterhouseCoopers, 90 por cento dos CEOs dos convertedores de embalagens puseram em prática iniciativas para reduções de custos neste ano. Muito provavelmente, então, esse Blog lhe interessará.

Mas como iniciar tal projeto? Recebemos esse pergunta frequentemente, por parte de nossos clientes ao redor do mundo. Desenvolvemos um programa para redução de desperdícios, centrado na logística de tintas. Em uma série de sete Blogs, vamos descrever esse programa, que consiste em três ações para identificar desperdícios e quatro elementos que podem ser introduzidos para eliminá-los, seja como uma consequência ou como uma decorrência.

As ações do programa são:
1. Os sete desperdícios > com foco no processo.
2. O modelo 5S > com foco no ambiente de trabalho.
3. A pirâmide de custos das tintas > com foco nos custos

Os elementos do programa são:
1. Gerenciamento de tintas
2. Gerenciamento de cores
3. Aumentando o lucro com as tintas.
4. Integração de processo

No primeiro blog, descreverei as ações auxiliares e nos quatro seguintes, descreverei a elaboração dos quatro elementos. Neste primeiro blog da série, detalharemos mais profundamente os sete modelos de desperdício.

Os sete desperdícios
Muda ou “desperdício”, é um conceito chave em Lean. Redução de desperdício é a maneira de reduzir custos e incrementar o lucro. O ponto importante de início é discernir que passos no processo agregam valor, e quais não agregam. Os “sete desperdícios” foram inicialmente identificados pelo engenheiro chefe da Toyota, Taiichi Ohno, como parte do Toyota Production System (TPS) ou “Sistema de produção Toyota” – um sistema desenvolvido pela Toyota para organizar a logística e produção, e foi como consequência o precursor do processo Lean.

Entendemos o desperdício como a distribuição de tempo, ferramentas, processos ou técnica, pessoal e espaço em excesso ao que é efetivamente necessário para agregar valor ao cliente.
Cada um dos sete desperdícios é explicado abaixo sob uma perspectiva de gerenciamento de tintas, ilustrado com exemplos para destacar sua relevância.

1. Produção em Excesso
Não produza mais do que o cliente solicita. Como exemplo, não dose ou misture cores além do solicitado para uma ordem de produção.

2. Logística Externa
A logística externa gera gastos que não agregam valor. Se sua fábrica movimenta tintas em grandes tonéis ao invés de processar cores em pequenos lotes, seguramente pode obter reduções substanciais com o custo da logística interna.

3. Defeitos
Tenha como meta, defeito zero. Cores produzidas “corretamente na primeira vez” reduzem consideravelmente os custos com substratos, tintas, parada de máquina e custo com mão de obra ociosa.

4. Estoques
Estoques são custos pelos quais seu cliente não pagará. Através da dosagem de tintas internas, “just in time” a partir de um número de cores básicas (componentes), você eliminará estoques de cores paradas.

5. Logística Interna
Movimentação excessiva não agrega valor. Dosar as tintas dentro de sua planta, próximo à sua impressora, significa redução na burocracia de entradas e saídas de estoques, e como consequência menor movimentação de suas tintas.

6. Processo
Alguns processos não tem função alguma no fluxo de produção. Existem apenas para corrigir erros ocorridos em processos anteriores. Por exemplo, se você produz tintas a partir de componentes estocados tonéis (200L ao invés de baldes de 20 litros), obterá uma tremenda economia evitando restos a serem drenados do fundo de cada fim de balde (contaminação de fundo de latas).

7. Paradas
Produtos, pessoas e informação esperando, não agregam valor. Se você prepara suas cores “em casa”, seu planejamento de produção é menos dependente do seu fornecedor de tintas (cronogramas de entregas e confiabilidade da logística de terceiros).

No geral a redução de desperdícios em sua logística de tintas possivelmente reduzirá seus custos em 30%. No próximo blog, exploraremos as características de um fluxo de chão de fábrica eficiente, com foco particular no espaço destinado às tintas. Caso você não possa esperar para atingir as reduções de custo mencionadas, entre em contato conosco.

Menu